Deriva

Dia 17 de Dezembro é uma data importante para o larp. Primeiro, porque marcava o início da Saturnália, festival romano apontado por Brian Morton (no livro Lifelike) como um dos ancestrais do larp. Segundo, porque assinala a execução de A Clínica: Projeto Memento, larp que é um dos marcos do que o Luiz Falcão (autor do larp) chama como a entrada do larp brasileiro numa "terceira onda" (o texto completo pode ser encontrado no livro The Cutting Edge of Nordic Larp). Terceiro, foi a data escolhida para realizar o Memorial Evening de Elge Larsson, figura de estimada importância na cena nórdica de larp, certamente ressonante também no Brasil (clique aqui para postagem do NpLarp sobre o assunto). E agora, data também a execução de Deriva, na despedida de Apenas um Jogo, programação sobre larp do Espaço de Tecnologias e Artes do SESC Itaquera, que contou com curadoria do Luiz Falcão.

Deriva é um larp de Luiz Prado, o primeiro de uma série batizada "Larps de Amor, de Loucura e de Morte", numa referência à Contos de Amor, de Loucura e de Morte, do escritor uruguaio Horacio Quiroga. Mais do que transpor impressões e imagens do conto À Deriva, de Quiroga, para a linguagem do larp (como afirma Luiz Prado aqui), Deriva dialoga com parte da pesquisa que o autor vêm desenvolvendo. Três características levam à essa afirmação: enfoque na autonomia/responsabilidade dos participantes e enfoque do uso do corpo (monstros e Último dia em Antares seriam outros exemplos de "larps físicos" do autor). Sobre a terceira, falarei em breve.

A primeira coisa que chama a atenção é a destreza e maturidade na linguagem que culminam na partitura do larp: Deriva é um larp onde o universo concreto e o universo ficcional encontram-se num nível de separação que nunca havia visto alguém sequer especular no larp antes. Isso porque, durante o larp, cada participante é uma pessoa sozinha na selva. Os outros participantes, que ocupam o mesmo espaço concreto, podem/devem ser re-significados. Em suma, Deriva poderia ser facilmente descrito como um (provavelmente o primeiro) larp solipsista.
25354179_709784169226759_3964616500676222960_n
FONTE: Horácio Quiroga na mata, retirada do site do Luiz Prado.
A terceira característica dos larps do Luiz Prado é algo que já foi fruto de discussões informais (entre ele, Luiz Falcão e eu): operarem em algum pólo de um binômio que ou ocupa o espaço a partir da re-significação, ou re-significa o espaço a partir da ocupação. Um exemplo do primeiro pólo é Andarilho, onde os participantes utilizam-se de bares, restaurantes e calçadas, ocupadas a partir do momento em que a partitura orienta que aqueles lugares são outra coisa durante a duração do larp. O segundo pólo, cujo exemplo é Chuva Ácida (segundo o Luiz Falcão, já que não tive oportunidade de participar), onde a própria ocupação do espaço pelos participantes dá um outro significado pelo ambiente. Deriva, nesse sentido, une os dóis pólos desse binômio: o ambiente do larp é re-significado (a floresta), e a partir disso é ocupado. Recursivamente, a ocupação pelos participantes dá novos significados para o ambiente de jogo. Isso porque, como cada participante está sozinho na floresta, a presença dos outros participantes na sala pode/deve ser re-significada. Dessa forma, assim como ocorre com mesas e cadeiras, os corpos dos outros participantes poderiam se tornar, na ficção, pedras, animais ou árvores, por exemplo. Com segurança, Deriva cria um frutífero diálogo, e aprofunda ainda mais a questão, no que tangencia tanto as salas diegéticas do larp, quanto o role-playing como construção interativa da diegese subjetiva (artigos de Carsten Andreasen e Markus Montola, respectivamente, encontrados no livro As Larp Grows Up).

Além disso, o larp me proporcionou um bleed, no sentido de incomodar por criar uma identificação com algo que tenho problemas em encarar na vida cotidiana: estar sozinho num lugar cheio de gente (tal qual ocorre no metrô).

Cinco pessoas participaram dessa segunda execução (a primeira foi durante a programação TERRITÓRIO LARP, executada no SESC Ipiranga). E aqui cabe também o registro para a participação do organizador que, igualmente numa chave solipsista, promove a trilha sonora ao vivo durante o larp. Com isso, é estimulado pelas ações dos outros participantes, ao mesmo tempo em que as notas do violão estimulam os participantes. Todos convivendo num mesmo ambiente concreto, mas em cinco distintos ambientes ficcionais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Manifesto do Jeitinho Brasileiro

Seis larps e uma provocação

A Última Noite