O Manifesto do Larp Local



O Manifesto do Larp Local

Postado em 10 de abril de 2017 por Lizzie Stark*


Hoje, plantamos nossas bandeiras para nossas cenas locais e livres de pesticidas, orgânicas, de comércio justo, verdejantes e sem crueldade. Abordaremos nos comentários as partes deste manifesto que provavelmente o enfureceram.

Resolvido:

  1. As comunidades locais de larp devem ser apenas isso - locais. Isso não impede que você alcance, abrace visitantes, faça trocas de jogadores ou participe de eventos distantes quando lhe convier.
  2. Pequenas comunidades são viveiros de inovação. Muitos jogos legais saem de pequenas comunidades.
  3. Larp local é ambientalmente amigável. Ou mais amigável, pelo menos. Esperemos que isso não seja controverso.
  4. Eventos pequenos, curtos e baratos tornam o larp acessível a uma gama mais ampla de pessoas. Eventos grandes, longos, caros e menos acessíveis não são o inimigo; esta é apenas uma verdade logística. Todo o ecossistema do larp apoia-se a si próprio: alguém que comece com pequenos jogos pode decidir investir mais tempo e dinheiro no passatempo, e alguém que deseja que eles possam ser mais "enfeitiçantes" com mais freqüência pode jogar pequenos jogos.
  5. Novos jogadores, designers e organizadores são a força vital de qualquer comunidade. Os jogadores, designers e organizadores antigos, abatidos e marcados por cicatrizes de batalhas, são, obviamente, necessários, incríveis e bem-vindos. Apenas, você sabe, não deixe sua reputação entrar no caminho de saber quando graciosamente se afastar para deixar um garoto novo executar seu jogo de maluco.
  6. Os valores compartilhados das pequenas comunidades facilitam a gestão. Não é um julgamento de valor, isso reflete novamente a realidade. Com um pequeno grupo, você pode ter uma visão clara sobre o que é importante. Com grupos maiores e mais díspares, este é um desafio fundamental que é digno de ser enfrentado pelas grandes comunidades.
  7. Não há um Único Caminho Verdadeiro; encorajamos a troca com outros estilos, eventos e grupos. Cenas locais de larp - incluindo cenas locais do boffer larp - prosperam em um ecossistema que inclui muitas comunidades de larp produzindo diferentes tipos de eventos. Todos nós temos muito a aprender uns com os outros, e muita diversão para ter uns com os outros.

Nós nos esforçaremos:


  1. Para dar instruções no idioma nativo da região onde são jogados. ... o que não quer dizer que precisamos ser monolíngues! Mas idioma e privilégio podem estar intimamente ligados, de modo a mantê-lo localmente inteligível significa mantê-lo acessível, bem como incorporado em sua própria cultura. Observe também que dar instruções em idioma nativo não significa necessariamente dar-lhes na língua predominante do país onde o larp é jogado.
  2. Para comercializar nossos larps localmente, não globalmente. ... o que só faz sentido.
  3. Para atrair os nossos participantes das populações locais, com um olhar especial para a inclusão de jogadores de grupos sub-representados nos jogos, incluindo pessoas de diferentes meios econômicos, orientações sexuais, gêneros, origens raciais, habilidades físicas e, claro, pais. Esperemos que este se torne um objetivo universal, mas os tipos de comunidades que este manifesto promove estão posicionados unicamente para tornar isso central no que fazem.
  4. Para priorizar a execução de projetos pelos membros de nossas próprias comunidades e incentivar os designers de larp locais a popularizar seus larps com scripts. Grupos pequenos, singelos e locais são incubadoras perfeitas para jogos pequenos, singelos e locais.
  5. Para selecionar locais de larp perto do transporte público e / ou oferecer a oportunidade dos participantes darem carona uns aos outros. Você está seriamente enfurecido com isso? Posso imaginar que seja impraticável, mas não indesejável.
  6. Para reduzir a pegada de carbono dos alimentos servidos em eventos larp usando ingredientes locais ou pegando leve com a carne. Novamente, isso parece ser um bom conselho geral.
  7. Para reduzir os custos em cada esquina, e executar jogos em uma base sem fins lucrativos (para cobrir apenas os custos). Se isso significa que a cenografia deve sofrer, seja assim. Manter os preços dos ingressos acessíveis é fundamental para tornar o larp acessível aos participantes de diferentes estratos econômicos. É melhor ter jogadores entusiasmados do que ter o conjunto perfeito (e muitas vezes perfeitamente caro) e adereços. A execução de eventos de forma econômica também ajuda a reduzir a barreira para o funcionamento de larps e ajuda a garantir uma melhor variedade de organizadores.
  8. Para executar larps que não exijam trajes elaborados, ou ajudar os jogadores a encontrar itens de vestuário baratos através de viagens organizadas para brechós ou programas de empréstimo. Fantasias elaboradas custam dinheiro, e montá-las pode ser assustador para alguns jogadores. As viagens de negócios e as trocas de roupas ajudam a reduzir a ansiedade, construir a comunidade e reduzir o custo. Larps que não requerem trajes permitem aos jogadores aparecerem sem preparo, embora, claro, não é possível antecipar o evento planejando uma roupa.
  9. Para executar larps que não requerem que as pessoas com emprego regular de tempo integral faltem e executar pelo menos alguns eventos que durem horas e não dias. Se você mora em um lugar onde esta não é uma questão, fique muito feliz.
  10. Para não exigir nenhum compromisso fora do evento para o qual a pessoa se inscreveu. Isso torna mais fácil para as pessoas entrar e sair da comunidade.
  11. Para, de maneira explícita, receber intencionalmente novos designers e organizadores, fornecendo mentoria, suporte e colaboradores sempre que possível. Comunidades saudáveis têm muitas pessoas assumindo papéis de liderança, o que ajuda a evitar o esgotamento do organizador. As pessoas precisam se sentir apoiadas para assumir papéis de liderança - os líderes são criados, não nascidos.
  12. Para postar publicamente o padrão que alguém precisa atender para executar um larp. Algumas pessoas querem ser orientadas, e algumas pessoas só precisam ser mostradas onde está a porta. Os padrões públicos ajudam a desmistificar o processo de organização e permitem que os participantes tenham a mesma oportunidade de entrar nos sapatos do organizador. Além disso, mais organizadores significa mais larp!
  13. Para tratar os recém-chegados como presentes preciosos; ousar aprender e se surpreender com eles. Os recém-chegados fornecem injeções de novas ideias, energia fresca e perspectivas únicas; eles ajudam a manter cenas locais saudáveis e vibrantes.
  14. Para ter paciência com novos jogadores e explicar o jargão para eles em linguagem simples. Desmerecer alguém ou tratá-los como um inconveniente é uma maneira fácil de expulsá-los. Larp tem um grande número de linguagens especializadas que podem se sentir impenetráveis para os recém-chegados. Cabe a nós convidá-los e buscá-los na conversa.
  15. Para trabalhar de forma sistemática para evitar o assédio e lidar com isso quando isso acontece. Em particular, ter uma comunicação escrita clara com os participantes sobre os valores e padrões de comportamento dentro da comunidade e os mecanismos para relatar e lidar com o abuso. O bem da comunidade exige que os organizadores lidem com o assédio. Esse trabalho pode revirar o estômago, mas é necessário. Tolerar o assédio afasta os que foram prejudicados, bem como os espectadores. Lidar com o assédio de forma clara e acessível é um dever essencial para qualquer comunidade pequena. As políticas de assédio são uma maneira clara de fazer isso, mas, dependendo da sua comunidade e da cultura local, podem haver outros também.
  16. Para perguntar se os participantes precisam de acessibilidade para deficiências e ser honesto sobre o que podemos e não podemos acomodar. As pessoas com deficiência são uma parte importante da nossa cultura e das nossas comunidades larp. Os eventos devem se esforçar para serem acessíveis para todos os seus membros, bem como para novos potenciais. Se você não pode acomodar uma necessidade particular, é melhor ser direto e falar sobre isso antes do evento. E se algo não for possível em um evento, esforce-se para torná-lo possível para o próximo.
  17. Para incentivar o autocuidado dentro da comunidade. Pessoas esgotadas, desconfortáveis e infelizes se tornam membros ruins da comunidade e administradores ruins da comunidade. É tão verdadeiro ao longo de um único evento como é durante meses ou anos de larp. Facilite para todos - desde organizadores até participantes - tomar pausas e optar por sair de situações que não estão curtindo.

Assinado:

Sarah Bowman e Harrison Greene da Austin Freeform Night (Austin, Texas, EUA)

Dalia Abu Fannouneh, Mohamad Rabah e Amer Kurdi da Bait Byout Organization (Ramallah, Palestina)

Linn Carin S. Andreassen de Blackbox Deichman (Oslo, Noruega)

Brodie Atwater e Lizzie Stark de Larp Depot (Boston, Massachusetts, EUA)

Jon Cole, Tom Fendt e Heather Silsbee da Larp House (Minneapolis / St. Paul, Minnesota, EUA)

Kate Hill e Jason Morningstar de Larp Shack (Durham, Carolina do Norte, EUA)

Eirik Fatland e Grethe Sofie Bulterud Strand, anteriormente da Oslo Larp Factory (Oslo, Noruega)


Dicas para começar e executar uma comunidade de Larp local



Seja tático sobre como você oferece eventos


  • Anuncie eventos com algumas semanas de antecedência. Dessa forma, pessoas com vidas ocupadas podem dar tempo para você.
  • Ter um evento regular - por exemplo, um encontro de larp em um café uma vez por mês em um dia regular - ajuda a construir a comunidade. Ter muitas pessoas que podem hospedar esse evento é uma boa ideia. Se alguém estiver viajando, outra pessoa pode preencher.
  • Seja explícito nos anúncios de eventos. Deixe as pessoas saberem no que estão se inscrevendo e o que será exigido delas se elas participarem.
  • Faça o máximo para evitar cancelar eventos. Se você deve cancelar, ofereça uma atividade de substituição. As pessoas terão maior probabilidade de vir se confiarem que isso acontecerá.

Ambiente comunitário


  • Seja focado na solução. Se algo não funcionar, não reclamemos sobre isso, mas tentaremos encontrar uma maneira de corrigi-lo, ou avançar e criar algo melhor.
  • Seja gracioso e agradecido tanto aos organizadores quanto aos jogadores por seu tempo e energia.
  • Envolva a comunidade, incluindo os jogadores, na execução de eventos para que a comunidade se sinta proprietária sobre os eventos.
  • Muitas mãos fazem o trabalho leve. Quando há mais designers e organizadores, você ganha.
  • Incentive as pessoas a agir sobre as próprias ideias. Não force a barra para a participação delas.
  • Execute as coisas de outras pessoas e peça-lhes para executar as suas.

Recebendo novos membros da comunidade


  • Seja paciente com os recém-chegados, e se atreva a aprender com eles. Dê desafios aos recém-chegados e confie neles para jogar e projetar.
  • Não desmereça outros estilos ou comunidades para criar a sua própria.
  • Explique os termos larp sem todo o jargão.
  • Trabalhe para uma mistura de jogadores experientes e novos em seus eventos.
  • Obtenha pessoas na lista de discussão, grupo do Facebook ou outro local de comunicação para que eles ouviram sobre coisas novas.

Encorajando novos designers e organizadores


  • Seja explicitamente, intencionalmente amigável para novos designers e organizadores, proporcionando mentoria, suporte e colaboradores sempre que possível.
  • Tenha um conjunto de padrões que as pessoas precisam conhecer para administrar listas, publicadas publicamente. Dessa forma, todos sabem participar.
  • Compartilhe recursos da comunidade, como lista de locais para se dirigir, pessoas dispostas a oferecer passeios, uma coleção de larps gratuitos.
  • Seja amigável com playtests. Basta notar que é um playtest.
  • Faça rodízio da responsabilidade periodicamente, para que novas pessoas tenham a chance de liderar e os antigos não se esgotem.

Representando sua comunidade na web


  • Tenha uma política de fotos / política de privacidade para que as pessoas não se preocupem com a forma como são retratadas.
  • Tirar fotos depois do larp produz imagens que parecem tão boas ou melhores do que as fotos tiradas durante o jogo.

Segurança e inclusão


  • Seja dedicado aos indivíduos que compõem sua comunidade.
  • As pessoas são sempre mais importantes que o sucesso ou o fracasso do larp.
  • Faça uma política de assédio publicamente disponível. Não tenha medo de usá-lo.
  • Incentive o autocuidado para participantes e organizadores.
  • Pergunte aos jogadores se eles precisam de acessibilidade para deficiências. Seja sincero sobre o que você pode e não pode acomodar.
  • Ouça quando os participantes - particularmente participantes de populações tradicionalmente sub-representadas - criam críticas sobre sua cena e fazem o seu melhor para abordá-las.
  • Se você tem políticas, use-as na sua manga. Isso ajuda a estabelecer para quem é a comunidade e para quem não é.

Seja qual for o presente que você oferece à comunidade, fique orgulhoso e continue oferecendo.


Inclui os textos The Local Larp Manifesto, Notes on the Local Larp Manifesto e Tips for Starting and Running a Local Larp Community, todos de autoria de Lizzie Stark. Tradução por Tadeu Rodrigues com revisão por Luiz Prado e Luiz Falcão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Manifesto do Jeitinho Brasileiro

Seis larps e uma provocação

A Última Noite