Andarilho + Prima Vennero

No dia 15/12, tive a oportunidade de participar de dois larps na cidade de São Paulo.

FONTE: Luiz Prado

O primeiro deles, Andarilho (partitura disponível aqui), é um larp de autoria de Luiz Prado. Para além da influência tarkovskyana, minha mais relevante reflexão sobre esse larp é a ocupação e ressignificação do espaço urbano. Um herdeiro do flâneur benjaminiano e da dérive situacionista, a leitura da partitura, em 2017, já havia me despertado a relação teórica com um artigo do Paulo Celso da Silva que tenho muita admiração que discute a observação como método.

Vagar, derivar e/ou perambular pelo espaço urbano, desnaturalizando tudo aquilo que lidamos cotidianamente de maneira tão inconsciente, tal como o trânsito, o comportamento das pessoas, as construções, entre tantas outras coisas, implica reflexão, no lugar da onipresente repetição. E, como postula o artigo do Paulo Celso, "o observador não quer repetição. Quer reflexão".

Para além de descrever quais foram as reflexões gestadas pelo grupo que fiz parte (um total de 7 pessoas participaram do larp, divididos em três grupos), sob o receio de enviesar o olhar de leitores que futuramente venham a executar o Andarilho, o que me salta a vista é a versatilidade e re-jogabilidade do mesmo. Os grupos tiveram reflexões distintas, e eu mesmo passei por situações distintas da outra oportunidade que tive de me tornar, provisoriamente, um andarilho...

FONTE: The Holocaust Chronicle

O segundo foi o Prima Vennero/First they came, dos italianos Andrea e Alessandro Giovannucci, um dos larps integrantes da coletânea Crescendo Giocoso. Inspirado a partir do poema de Martin Niemöller, propõe a história de três opositores do regime nazista que se escondem num sótão durante uma batida da SS no prédio em que vivem na Berlim de 1942.

O larp aconteceu com 4 pessoas (3 jogadores + 1 organizador), e imediatamente, sua temática remeteu à razão instrumental de Horkheimer, conceito ampliado por Arendt como banalidade do mal. No larp, para além da vilania e das atrocidades nazistas, a provocação é estar na pele de personagens cujo guia inclui os tópicos "Você era parte do problema" e "Você pode fazer parte da solução". No segundo, são dadas informações, em linhas gerais, de algo que você planeja realizar num futuro próximo e que podem trazer o bem para o entorno social. No primeiro tópico, por sua vez, é descrito algo que você já fez no passado e que prejudicou alguém. Com esses personagens que de maneira alguma se reduzem ao maniqueísmo, a proposta do larp é relação entre os três permanecerem escondidos ou delatarem um dos outros. Um acontecimento de mais de 70 anos atrás que, infelizmente, ainda projeta suas sombras...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Manifesto do Jeitinho Brasileiro

Seis larps e uma provocação

A Última Noite